quinta-feira, 30 de novembro de 2017

CARTA DO II SEMINÁRIO ALCÂNTARA: A BASE ESPACIAL E OS IMPASSES SOCIAIS



A referida carta foi construída no II Seminário de Alcântara: A Base Espacial e os impasses Sociais. Esta prerrogativa dá-se na atual conjuntura de avanço neoliberal do Desgoverno Temer em querer ampliar o CLA invadindo território quilombola na prerrogativa de constituir novas plataformas de lançamento de foguetes e em especial, há um acordo de salvaguardas tecnológicas em curso com os EUA e que tem um caráter além de comercial de aluguel, um caráter de entrega de soberania nacional e desrespeito direto aos direitos quilombolas de sua territorialidade.

Precisamos avançar nesta luta e denunciar claramente esta afronta!!!

Segue abaixo a carta na íntegra, divulguem: 











 (Momento de construção/normatização da Carta)






Muita satisfação esta nesta Luta e fazer parte desta História!!!




sábado, 14 de outubro de 2017

Campanha publicitária do ITAÚ como paradigma de Progresso x Exclusão no processo de Expansão do CLA

Trecho da Campanha ITAÚ "Ler para uma criança"
X

Detalhe de um Poster apresentado na época de minha graduação em História da UEMA na
II Semana de Ciências Humanas e Sociais.PROGRESSO E EXCLUSÃO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO CLA EM ALCÂNTARA: conflito e resistência ao "pelourinho tecnológico" em 2005 decorrente a uma visita fim de dezembro de 2001 às agrovilas (comunidades quilombolas em processo de deslocamento compulsório ocorrido no processo de implantação do CLA).
Título da foto by Artêmio: "Um olhar distante, entre a esperança e a desilusão" criança da agrovila Só Assim (publicação no TCC de conclusão do curso de História Licenciatura UEMA.)




Toda vez que vejo a campanha do ITAÚ “ler para uma criança”, onde utiliza o sonho de ir ao espaço de uma criança negra ao ler um livro ilustrado, é como se estivessem fazendo chacota, piada com o povo quilombola de Alcântara que está sofrendo um processo cada vez mais próximo de supressão de seus diretos de territorialidades com o processo em expansão do CLA...


E por que devemos apontar relação à propaganda com a realidade vivida em Alcântara?


Estamos em um mundo globalizado em que as grandes corporações transnacionais sempre buscam levantar uma ideologia de conciliação, e que isso não é nenhuma novidade, pois vem recorrendo a gerações em nossa sociedade excludente... antes com a ideologia do branqueamento muito difundido com a ideologia da “democracia racial”. (vide recentemente divulgado nas redes sociais a empresa DOVE que lançou uma campanha de branqueamento absurdo.)


 O discurso de conciliação do ITAÚ ganha um tom bem difundido de que o progresso científico e tecnológico deve está na pauta de constituição de uma sociedade que busque superar seu atraso... E isso é totalmente difundido no falso debate que se desenvolve em nossa sociedade atualmente com o avanço do Acordo de Salvaguardas tecnológicas entre o Governo Golpista de Michel Temer tenta consolidar com o país imperialista dos EUA que visa colocar o CLA como mero entreposto comercial aeroespacial, na contramão de um projeto aeroespacial autóctone e que respeitasse a soberania nacional e das comunidades quilombolas de Alcântara.

Precisamos irromper esta postura entreguista o Brasil se coloca diante do modelo neoliberal que busca reconduzir sua hegemonia que a cada dia está demonstrando suas fragilidades, mas sem uma leitura crítica e concreta com uma ação direta de luta, não buscaremos resoluções em superar as contradições apresentadas.

________________
Artêmio Macedo Costa
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Socioespacial e Regional - PPDSR/UEMA

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

POESIA SOTURNA



DESABAFO DESCALABRO



Meus pesadelos são eternos,
Meus sonhos, efêmeros...
Meus delírios são meus guias:
                                      [sustentação
Pois minha lucidez,
Acusa-me do que não pretendo ser
Jaz que neste antro mundano,
Tudo é referência ao escarro
Em que o Sistema te estabelece
E impinge à mais torpe das pretensões
Guiando em sucumbir a favor da maré:
                                                     [ilusão
Jogo do Poder!
O eterno retorno do desgosto insano
Acusando-nos dos delitos inversos
Ao subvertermos à Ordem estabelecida!
Eis que minha apóstata revela
A libertação de tudo atroz contido
Na fé cega d’aqueles que um dia pretendeis
Alcançar as dádivas da liberdade
Aqui ou em outro mundo...
Ó delírios incontidos na ingênua salvação!
Perplexidade dilui nos rincões soturnos:
                                                 [condição
Incontida perante à fome de Saturno*
Forjemos de fato a libertação concreta!
O real está contido na sinestesia da vida!
Do imponderável de uma fé revelada,
um antagonista invisível e criado
De nossos desesperos inauditos que um dia
Inverteu-se de criatura para nosso algoz!
Onde está a esperança?
Onde?
Onde está o destino?
Onde?
Que seja em você,
Ou em mim que queira ver,
Sentir e redimir de tudo? Que importa isto tudo? Que queiras um momento sóbrio
Ou de devaneios a responder? Que se foda você ou ao sistema que tenta crer,
Que nestes momentos venham fazer
Por mim ou por você!
                     
(Anjo da Esbórnia)

____________________
* Refere-se à pintura de Goya: Saturno devorando um filho.


terça-feira, 29 de novembro de 2016

CHARGE ICONOCLASTA

Hoje não podia passar em branco...


Não devemos Temer a LUTA...
 

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

MARANHÃO, REINO DA MENTIRA?

Hoje de manhã, indo à casa de minha irmã Vivianne resolver umas questões de empreendimento que estou fazendo em ambiente familiar, parei em frente à guarita do residencial em que ela mora...

Apresentei-me ao porteiro, Seu Sebastião!

Então, ele aproveitou para fazer uma propaganda de uma atividade religiosa, realizar-se-á no dia 02 de novembro, finados...


Reparei que era do Pr. Valdoriro, opositor do calendário católico da referida data...

Ele perguntou a mim se eu tinha alguma religião.
Falei que não... 

Não entrei em detalhes, disse que não tinha. Evitei de dizer que sou ateu e recebi com toda cordialidade...
Então ele me falou que se eu tivesse "Fé", escreveria nesse panfleto para que minha graça fosse contemplada... 

A princípio até antes mesmo que fosse para o culto já estaria sendo contemplado, pois começou a chuviscar....  

Imaginei: 

- Éguas! Já tá desse jeito? (quase titubeei em relação ao meu Ateísmo!)

Agradeci e segui meu rumo...

Falei para minha mana e prossegui contemplando o chuvisco no terraço dela...

Mas foi como um cuspe de "Pedroca"! Logo o tempo abriu e percebi que tudo fora uma quimera!!!

Eita que este tempo, mesmo com as recentes previsões meteorológicas dos jornais não conseguem acertar o dito veredicto desta chuva que não quer cair...

Daí lembrei-me de Padre Antônio Vieira, que sempre referiu aqui na época do Maranhão Colonial, era o "Reino da Mentira"... Usando as palavras dele no Sermão da Quinta Domingueira da Quaresma: 

“Por me não sair, contudo, do que hoje todos esperam, estive
considerando comigo que verdades vos diria, e, segundo as notícias que vou tendo desta nossa terra, resolvi-me a vos dizer uma só verdade”, continua, “Mas que verdade será esta? Não gastemos tempo. A verdade que vos digo é que no Maranhão não há verdade” (VIEIRA (1654),2008b, p. 11).

Em sua Tese (Imaginação social jesuítica do Padre Antônio Vieira no Maranhão do Século XVII, página 83), Josenildo Campos Brussio afirma que: 

(...)
A mesma instabilidade do tempo é retratada quando um piloto precisa usar um astrolábio para guiar o seu navio. Como sabido, o astrolábio é um instrumento de orientação geográfica que funciona com o uso da luz solar e era muito utilizado pelos navegantes. Para agravar a mentira no Maranhão, o padre afirma que nestas terras até o sol mente: “de maneira que o sol, que em toda parte é a regra certa e infalível por onde se medem os tempos, os lugares, as alturas, em chegando à terra do Maranhão, até ele mente. E terra onde até o sol mente, vede que verdade falarão aqueles cujas cabeças e corações ele influi” (VIEIRA (1654), 2008b, p. 12)

E foi assim que me senti com este tempo mentiroso... assim como ontem em tempos do segundo turno das eleições municipais aqui de São Luís!

DESCULPEM MEUS DEVANEIOS...

P.S.: A minha "Fe"! Seu Sebastião:

- Sou Caótico e não abandono meu caFÉ! rsrss

 

__________________

Tese a disposição neste link:
Imaginação social jesuítica do Padre Antônio Vieira no Maranhão do Século XVII